As 5 melhores práticas para o cultivo de citros

Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on whatsapp
22/07/2020
As-5-melhores-práticas-para-o-cultivo-de-citros

O cultivo dos citros precisa de cuidados, para que a produção não seja afetada por fatores que podem ser manejados no pomar.

Os citros são plantas perenes que possuem seu ciclo produtivo em cerca de 20 anos. Para manter-se todo esse período no campo e produzindo de forma rentável, o cultivo dos citros necessita de um manejo eficiente.

Vamos apresentar para você quais são as 5 principais práticas de cultivo para que seu pomar tenha uma produção de qualidade. Essas práticas foram estabelecidas pelos especialistas em citricultura da Amazon AgroSciences.

1- Fazer análises de solo e de folhas

O sucesso da produção é a sanidade das plantas, e isso não se baseia somente no cuidado das pragas e doenças do pomar. O estado nutricional das plantas nos dá um panorama geral do cultivo e mais do que isso, nos mostra como agir para que as necessidades sejam supridas.

Análise de solo

Primeiramente, a análise de solo precisa ser realizada anualmente, e a amostragem do solo que será analisado é um fator do sucesso dessa prática. Amostras que não representem toda a área plantada podem levar a erros na recomendação de dosagem dos fertilizantes.

Para pomares que já estão instalados, o solo deve ser coletado na projeção das copas das árvores. São necessárias 20 sub amostras de cada talhão do pomar. A mistura dessas sub amostras dará origem a uma amostra.

Além disso, é preciso levar em consideração as profundidades que deverão ser colhidas as amostras. O solo deve ser colhido de 0 a 20 cm para amostragem de referente a recomendações de adubação. Já com o objetivo da identificação de limitações como a deficiência de cálcio e altas doses de alumínio no solo, as amostras devem ser coletadas na profundidade de 20 a 40 cm.

É importante também salientar, que as sub amostras precisam ser colhidas em zigue zague, com o intuito de cobrir toda a área do talhão. Depois de analisadas, as amostras servirão para a recomendação da calagem e da adubação das plantas.

Análise foliar

A análise de folhas vai auxiliar nas recomendações de adubação, tanto via solo, quanto pulverizado. Ela determina as concentrações de nutrientes presentes nas amostras de folhas coletadas em determinada fase do crescimento da cultura.

Para os citros o procedimento é coletar as folhas na altura média da planta, cerca de 1,6 a 1,8 m, em cada quadrante da planta. A coleta precisa ser de folhas totalmente desenvolvidas, normalmente a terceira/quarta folha do ramo.

Com a junção das análises de solo – o que está disponível para as plantas – e a análise foliar – o que está presente na planta – é possível estabelecer as recomendações de adubação e calagem do pomar. Em alguns casos, a gessagem também é necessária para a correção do solo.

Essa recomendação, vai tornar o pomar mais bem nutrido e mais apto a tolerar os estresses que possam surgir. Em conjunto com a adubação, o controle fitossanitário das plantas daninhas é a segunda prática importante no cultivo de citros.

2- Manejar o mato de forma eficiente no cultivo de citros

Foto: Jay Wennington em Unsplash

As plantas daninhas são organismos que competem por água, luz e nutrientes com pomar de citros. O manejo correto das plantas daninhas, tanto por controle químico, como por controle mecânico é essencial para um cultivo de alta qualidade.

A utilização de herbicidas para o controle das daninhas normalmente é intensificado no período crítico, das chuvas – novembro a março, dependendo da região. Essa prática pode ser feita de forma pré-emergente, ou seja, são aplicados ao solo, com o objetivo de inibir a germinação das plantas daninhas por um certo período.

Também é possível fazer a aplicação depois que as plantas daninhas já estão desenvolvidas, com aplicação direta nas daninhas. Além disso, é possível optar por herbicidas sistêmicos, que são mais utilizados quando houver espécies com eficiente reprodução vegetativa por meio de rizomas, bulbos e tubérculos.

No caso dos herbicidas, a recomendação de alternância entre modos de ação também é válida. Algumas plantas daninhas já se mostram resistentes ao herbicida glifosato, por exemplo, o ingrediente ativo mais utilizado nas lavouras de todo o mundo.

Para completar o manejo do mato, a integração de diferentes métodos de controle é recomendada. O plantio de culturas intercalares, como adubos verdes e plantas de cobertura tem sido feito e mostrado bons resultados.

O uso da roçadeira ecológica, por exemplo pode ser inserida dentro do manejo do mato. Esse tipo de roçadeira consegue cortar as plantas que estão entre as linhas do cultivo e distribuir o material vegetal embaixo da copa das árvores.

Essa prática pode auxiliar na maior retenção de água no solo, diminuir o impacto das chuvas no solo, ajudando na conservação do solo e pode ajudar na redução de aplicações de herbicidas. O manejo correto da cobertura do solo no cultivo dos citros é um dos fatores que auxiliam no alcance de altas produtividades.

3- Podar e manejar as plantas do cultivo

Nos últimos anos o adensamento do pomar tem se tornado frequente. Plantas com menor espaçamento entre elas, precisam ser podadas e manejadas de forma eficiente. A poda de formação, é necessária para desenvolver a estrutura de sustentação da copa, evitar a quebra de ramos e tornar a planta mais equilibrada. Esse manejo pode ser feito de maneira manual ou com maquinário específico.

As podas também podem ser empregadas na condução das plantas. Dependendo de como é feita esse manejo pode induzir a floração e consequentemente a produção de frutos fora de época, sendo uma alternativa de entrega de frutos com preço diferenciado.

É importante salientar que também nesse manejo a época de execução e tratamento ou proteção dos locais podados precisam ser levados em conta e planejados. O manejo fitossanitário precisa ser feito durante todo o cultivo.

4- Realizar um correto manejo fitossanitário

Sabemos que os citros sofrem com pragas e doenças em todo o seu ciclo de produção. Para mantermos uma boa sanidade do pomar e garantir que não ocorram prejuízos na produção, o manejo fitossanitário tem que ser feito corretamente.

Hoje, temos o psilídeo (Diaphorina citri) como uma das principais preocupações no controle. O inseto que transmite o greening precisa ser controlado, já que a doença ainda não tem cura. Para isso, a aplicação de inseticidas precisa seguir uma programação eficiente, que deve ser ajustada com o técnico responsável pelo manejo.

Para complementar no manejo do greening, o GRANBLACK vem como um tratamento para o pomar. Fertilizante organomineral classe A, o GRANBLACK é um complemento da sua estratégia de manejo, ajudando no destravamento das plantas.

Saiba como o GRANBLACK pode atuar como tratamento para o seu pomar

Além disso, outros insetos, como o bicho furão e a mosca das frutas também são uma preocupação. O controle do bicho furão, por exemplo, precisa ser realizado no final da tarde, que é o momento em que os insetos estão mais ativos e voam pelo pomar. Saber o momento certo de controle, ou seja, quando fazer as aplicações.

Isso é válido também para o manejo de doenças fúngicas, com a aplicação de fungicidas e na aplicação de acaricidas para o controle dos ácaros que podem causar prejuízos no cultivo.

É importante lembrar que a troca de produtos, com diferentes modos de ação, precisa ser realizada. A utilização de defensivos químicos que possuem a mesma forma de controlar pode ocasionar a seleção de resistentes. Trocar o princípio ativo não é o mesmo que trocar o modo de ação. Mesmo que com princípios ativos diferentes, a atuação no controle pode ser a mesma.

O manejo fitossanitário começa no pomar, mas é importante que ele se estenda em todos os elos da cadeia produtiva. Com isso, a próxima prática essencial para um cultivo eficiente é a assepsia dos equipamentos.

5- Manter a sanidade dentro e fora do pomar

Evitar a entrada de pragas e doenças no pomar é uma das principais práticas para manter a sanidade do cultivo de citros.

Para isso, ter estruturas como um rodolúvio na entrada da propriedade fazem com que a incidência destas moléstias seja diminuída. A desinfestação dos veículos, tanto carros de passeio, quanto caminhões de transporte de frutos auxilia na menor disseminação de cancro cítrico, ter um rodolúvio funcional e/ou utilizar a pulverização manual é necessário para o manejo da doença.

Cancro cítrico: é uma doença causada pela bactéria Xanthomonas citri e já foi um dos grandes desafios da citricultura, causando sérios prejuízos. Atualmente a doença está presente em algumas regiões produtoras e o manejo preventivo é essencial para evitar a sua disseminação.

O ideal nesse manejo é a utilização de solução bactericida composta por amônia quaternária, que deve ser diluída em um litro do produto comercial para 1000 litros de água. Pedilúvios para e torneira contendo essa solução também são necessários para a desinfestação das mãos e pés das pessoas.

Seguindo essa mesma precaução é necessária a assepsia das caixas de colheita, quando são utilizadas em mais de uma propriedade. A limpeza desse material é importante para que a bactéria do cancro não se espalhe nem entre e nem dentro das propriedades.

Foto: Erol Ahmed em Unsplash

Durante o transporte dos frutos, depois de colhidos, a utilização de lonas nos caminhões também integra a prevenção e é obrigatória. As carrocerias cobertas evitam que folhas ou algum material contaminado seja espalhado durante o trajeto. Além disso, existe uma multa para o transporte irregular.

Seguindo essas práticas seu pomar poderá ter muita sanidade, qualidade e produtividade. E para deixar seu cultivo de citros ainda melhor, você pode utilizar o GRANBLACK e toda a linha para citros da Amazon AgroSciences. Entre produtividade e longevidade, fique com ambos.

Texto por:

Deixe um comentário:

Inscreva-se em nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos diretamente em seu e-mail.